quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Pois é!


2 comentários:

  1. caramba, o sr faz questão de demonstrar ignorância em publico! não sabe interpretar nem a Bíblia e quer citar história. Olha, champs, os ditos autores que o sr afirma ter citado Jesus na verdade falavam de Crestos/Cristo, que é um título, não uma pessoa e disto falavam porque aqueles que confessavam ser cristãos diziam crer nele, mas curiosamente as primeiras comunidades cristãs tinham conceitos, ideias e credos bastante diversificados, quando não conflituantes. bola fora.

    ResponderEliminar
  2. Como se isso fosse impecílio para confirmar a historicidade do fato.
    A difusão da doutrina do Messias passou por várias regiões do império romano. E como todo boca a boca, tem suas variações. As igrejas originais eram comunidades clandestinas. Não tinham apoio estatal e eram retalhados em territórios de predominância judaica.
    Só com a institucionalização e invenção do cristianismo por Contantino, eles obtiveram um pouco de sossego.
    Só pra saber:
    Há mais referências históricas sobre o Messias(Khresthos em grego), do que Alexandre o grande. Se fossemos criterizar do mesmo modo dos ateus, então Alexandre não teria e existido.
    Resumindo: não há nada de "conflituante".

    ResponderEliminar