quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Como o celacanto refutou os evolucionistas

Antigamente os cientistas conheciam os celacantos somente pelo registro fóssil. Esse grupo de peixes era considerado extinto há pelo menos 65 milhões de anos.



O formato protuberante das nadadeiras do celacanto levou os cientistas a pensar que esse peixe estava evoluindo para um tipo de animal terrestre, um anfíbio primitivo. Suas nadadeiras lobadas estariam evoluindo em patas.

Essa crença foi tão difundida que até mesmo os livros didáticos mostravam gravuras do celacanto saindo das águas com as tais pernas.



Dessa forma os celacantos foram encaixados na sequência evolutiva como os ancestrais dos tetrápodes, ou seja, um elo evolutivo entre peixes e vertebrados terrestres.

O fim da crença




Tudo ia muito bem com a crença evolucionista até que em 1938 alguém conseguiu capturar um celacanto vivo na costa leste da África do Sul.
Ora! O celacanto tinha desaparecido completamente do registro fóssil desde a era mesozoica, e por isso os cientistas acreditavam que ele tinha completado sua evolução em anfíbio. Porém, de repente, estavam com um exemplar em mãos, com suas nadadeiras lobadas intactas, inalteradas.



Isso causou um impacto tão profundo na comunidade científica que fez com que o celacanto perdesse o seu posto de elo entre peixes e tetrápodes.
No entanto, porém, quando falamos sobre isso com os evolucionistas mais leigos (ateus militantes, por exemplo), eles alegam que os celacantos atuais não são da mesma subespécie dos celacantos fósseis, e portanto a descoberta de celacantos vivos não afeta suas teorizações. Será que não afeta mesmo?

O erro dos evolucionistas militantes é justamente não levar em conta que o nome CELACANTO é genérico, ou seja, celacanto não é o nome de um peixe em específico, mas o nome de um grupo de peixes... Tanto o celacanto fóssil como o celacanto vivo pertencem ao grupo dos crossopterígios, que é o mesmo grupo que os evolucionistas diziam que tinha evoluído para anfíbios.
Podemos dizer então que os evolucionistas erraram a respeito da extinção dos crossopterígios, assim como erraram também a respeito de sua evolução em tetrápodes.

12 comentários:

  1. Evolução é um barco furado com pessoas tentando tirar a água de colherinha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Refutar o texto nem pensar, não é mesmo?

      Afinal é melhor fingir que não viu e fazer uma gracinha sem graça.

      Eliminar
    2. Aguardo a sua contundente refutação. Assim como uma comprovação científica da macro evolução.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Só a foto deve pesar uns 3 kilos! Isso que está "extinto".rsrsr...

      Eliminar
  3. Mais fácil acreditar que uma velha homofóbica e desocupada criou o homem do barro e a mulher da costela do barro né? Como é a sensação de ser parente de um tijolo e de uma telha? Kkkkkkkk

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Velha homofóbica?!?! Só se fosse o ateísta Che Guevara, ou o ateísta Karl Marx, ou o ateísta Mao Tse Tung, ou o ateísta Jean Willis.
      No mais prefiro ser parente de uma telha, do que parente de uma ameba.
      Não tomou toddynho hoje?!?!
      Por isso essa revolta?!

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    3. que estranho pensei que já tivesse dito mas ok realmente concordo com você amigo prefiro ser parente de uma telha ou de um tijolo do que ser parente de uma ameba que é por muitos considerada a mais baixa e inferior forma de vida existente.a teoria da evolução chega a ser ridícula as vezes enquanto a microevolução é um fato a macroevolução é apenas uma teoria e bem eu não preciso falar ais nada eu faço das palavras desse blog as minhas.

      Eliminar
  4. O autor desse blog deve ser um comediante mesmo. Não consegue dar um dentro! O fato de um animal estar no registro fossil não garante que ele esteja extinto. Bacterias existem praticamente desde que a vida começou e ainda estão aí firmes e fortes. Peixes em geral são seres antiquíssimos e ainda existem aos montes. Existe um animal chamado Ornitorrinco que é mamífero mas ainda tem caraterísticas de um reptil, ou seja, é de origem muito antiga. As vezes é possível que um animal seja descoberto primeiro no registro fossil, uma vez que ele pode estar restrito atualmente a pequenas regiões, ou a areas de difícil acesso, o que normalmente é o caso dos peixes. Ou seja, a suposta contradição da teoria da evolução ai apenas demonstra a fantasiosa e extraordinária burrice dos criacionistas.

    ResponderEliminar
  5. Mas foi a ciêncoa que deu ele como extinto. Agora quer virar o espeto assim de boa.
    Duplipensamento no café da manhã ninguém merece.

    ResponderEliminar
  6. 1 - Ciencia trabalha com evidências. Se as evidências até então apontavam para a extinção de uma espécie, a ciência não vai falar o contrário. Quem faz isso é a religião falaciosa do ad Hoc, da autoridade e do sobrenatural.

    2 - Em nenhum momento a existência de especies vivas consideradas extintas coloca em xeque a Teoria Evolutiva. Eu sugiro que estudem cladística para entenderem como funciona a evolução. Não e incomum que coexistam espécies diferentes com um mesmo ancestral comum, sendo totalmente diferentes entre si. Os humanos e os lêmures são os exemplos.

    3 - Existem milhões de provas que apontam para a evolução, com diversos estudos sobre fósseis e modelos evolutivos - sim, existem experimentos que permitem verificar a evolução em seres vivos. Pra vocês terem noção, a medicina, a biomedicina, a genética, a agronomia e a zootecnia: todas utilizam a teoria da evolução quando postulam sobre super-bactérias, uso de antibióticos, vacinas como a da gripe, transgênicos, seleção artificial (sim, a vaca que você come é invenção do ser humano), etc. Fora as ciências que voces dizem ser maluquice, como a paleontologia e os fósseis completos (que alguns dizem ter sido um deus que colocou pra testar nossa fé - que malandro!).

    4 - Uma teoria científica é uma explicação de um aspecto do mundo natural que pode ser repetido e verificado de acordo com o método científico, usando protocolos aceitos de observação, medição e avaliação de resultados. Sempre que possível, as teorias são testadas sob condições controladas em um experimento. Em circunstâncias não passíveis de testes experimentais, as teorias são avaliadas por meio de princípios de raciocínio abdutivo. Teorias científicas estabelecidas têm resistido a um escrutínio rigoroso e incorporam o conhecimento científico.

    5 - Eu consigo provar pra qualquer cristão que acreditar na Bíblia é acreditar na Evolução. Ou será que alguém consegue me explicar o diluvio e as especies de agua doce e salgada sem colocar uma evolução na história?

    6 - O design inteligente é outra maluquice e nada mais é que a presunção humana em ser o animal mais evoluído. É uma tentativa New age de enfiar o criacionismo goela abaixo. Mete uma coisa na cabeça: A GENTE É "TÃO EVOLUÍDO COMO" UMA GALINHA OU UM SAPO. Ou os celacantos restantes. Afinal, estamos todos vivos, né?

    ResponderEliminar