sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

Refutando "crentelhos" pela internet


19 comentários:

  1. Certamente isso ocorre e se mostra como um número expressivo no meio ateu, infelizmente, mas ainda sim, não deixa de ser exclusivo desses. Entre, a população de fé, sejam quais forem, é grande também, ao olhar os comentários em seu próprio blog peeceberá isso. Além de, não só compartilharem e comentarem coisas do gênero, que de nada ajudam o debate, mas também aceitando qualquer coisa advinda de "autoridades" religiosas.

    ResponderEliminar
  2. Entendo que não há problemas em ateus e agnósticos estudarem mais o Cristianismo em suas várias vertentes frutos de interpretações diferentes. Ateus e agnósticos podem desenvolver argumentos consistentes.

    Luiz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É justamente esse o ponto a ser debatido Luiz. O ateísmo militante só produz prosélitos com informações pré concebidas (não que isso deixe de ser aplicado no meio cristão). Mas a audiência dada por muitos meios de comunicação tendem a realçar essa visão neo ateísta como argumentos válidos (vide Kefera e seu "manexplain").
      No mais o ateísmo não propõe nada, apenas uma posição antagônica ao teísmo.
      Fora as tidas lacrações, o que o ateísmo organizado fez para o mundo além de regimes ditatoriais comunistas?
      O problema não está no sujeito ser ateu, é um direito exercido através do estado laico, mas sim nessa onda de apropriação das causas sociais (das quais a maioria sequer conhece) para usar de bandeira contra a moral cristã. Esta aliás, que está além de qualquer religião que se pregue, pois desde a época dos apóstolos do primeiro século já sofria deturpações de "senhores da moral" que queriam apenas as benéfices da autoridade proposta por essa doutrina. Mas no fim eram apenas homens, assim como nós, e não é por aí.
      Quem ler o novo testamento vai ver que entre eles mesmos haviam divergências, mas a luz para elucidar tais coisas é Jesus, além disso é anátema

      Eliminar
  3. Olá Luciferiano

    Não vejo problema em um ateu ser militante ou defender o ateísmo desde que tenha argumentos plausíveis então no meu ponto de vista nada impede um ateu militante estudar melhor as Religiões, Ciência, História, Filosofia a Teologia e não vejo diferença entre neo-ateu e ateu de acordo com uma perspectiva Bíblica pois de acordo com a Religião Cristã ambos não serão salvos mesmo que um ateu respeite o Cristianismo, Jesus, Papa, Pastores, seja capitalista seja contra o aborto se não aceitar Cristo biblicamente ou cristianicamente falando será condenado.

    Sim haviam divergências, mas não deveriam pois Cristo sempre pregou Unidade uma só fé e um só batismo os que não compreendiam a Sã Doutrina deveriam ser ensinados pelos que entendiam pois Jesus não pregaria que a alma é imortal e dois dias depois pregaria que ela é mortal e também não poderia ensinar o pré-tribulacionismo e em outro dia o pós tribulacionismo pois isso não tem lógica nenhuma ainda mais que Cristo é a Cabeça da Igreja e o Espírito Santo que até onde eu aprendi não era Deus de confusão e portanto deve orientar todos os crentes para terem uma única doutrina e considerando que Jesus é a luz para esclarecer isso pense comigo se um dos crentes contemporâneos de Jesus perguntassem para Ele se o arrebatamento era pré ou pós tribulacionista Ele não teria dúvida nenhuma alguns discípulos até poderiam ter dúvidas mas isso não significa que deveriam ficar com tais dúvidas pra sempre e os outros discípulos deveriam explicar a Verdade da Sã Doutrina para eles. No meu entendimento isso é um erro dos crentes pois se tem um arminiano e um calvinista geralmente os crentes acham que está tudo bem ou seja que se pode optar por uma ou por outra visão mas não é isso que a lógica e a coerência ensinam.

    Pelo que eu entendi você fez uma distinção entre Moral Cristã e Religião ora a moral Cristã é inseparável da Religião Cristã pois Jesus nunca foi contra a Religião dos Israelitas e foi Jesus que fundou a Religião Cristã com a Sã Doutrina inseparável da moral. Jesus nunca criticou a Religião dos Israelitas o que Ele criticou foi a atitude de alguns líderes religiosos que não seguiam a Religião Israelita.

    Não nego que os cristãos são pessoas inteligentes e deram e dão uma contribuição muito grande à Humanidade porém eu vejo nisso uma ação pessoal ou seja muitos seres humanos tiveram contato com a Bíblia e se sentiram motivados a fazer tais coisas porém a ação é humana ou seja os méritos são humanos e o estudo das Ciências é extra-biblica e mesmo que você argumente que a Graça de Deus age nos seres humanos essa Graça é impessoal e necessita de seres pessoais para agir então é o homem que implemente a ação num processo natural.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Não vejo problema em um ateu ser militante ou defender o ateísmo desde que tenha argumentos plausíveis..."

      Concordo. Foi nesse interim em que me referi à liberdade de se expressar nesse estado laico.
      Sobre Salvação, não basta necessáriamente crer, a Salvação é um processo diário e contínuo. Um cristão (ou não), tem que ter em mente que não basta apenas as liturgias culturais para garantir o "salvo conduto". Pois ainda neste corpo, somos pecadores, e não deixaremos de ser. A Sã Doutrina deixa isso bem explícito.
      Sobre a distinção entre Moral cristã e religião, essa questão se mostra evidente com a própria ramificação do cristianismo em áreas exotéricas, gnósticas, e em outros estilos de sincretismo religioso. A questão aqui não se trata da benevolência do cidadão que cultua deste, ou daquele modo, mas sim, da essência do evangelho, pois até os mais sórdidos seres, ainda sim, podem amar os seus. Jesus não só criticou na esfera social, Ele revogou a lei mosáica, pois até então, o acesso ao Deus de Israel, era por intermédio da lei, agora é por intermédio da Graça, que se obtém através de auto análise e a plena convicção da missão de Jesus na Terra. Sendo esta, a remissão de nossos pecados através do sacrifício perfeito.
      Acho particularmente uma perda de energia querer definir níveis de inteligência de religiosos e ateus. Esses testes não dizem nada, apenas especulam. Ser ou não crente em algo, não define parâmetros de inteligência, portanto este tema eu considero irrelevante.
      Sobre a Graça de Deus estar em tudo...ok. É uma resposta um tanto quanto genérica (não que deixe de estar), mas no tocante a conduta humana, sabemos que o ambiente ao redor do indivíduo tem muito peso em sua formação e caráter. Passando por família, escola, fatores sociais e econômicos, se há uma religião predominante e ativa na sociedade, e por aí vai...E se há um processo de doutrinação em muitas camadas desses aspectos, você pode moldar um soldado desde a pré escola, tais como os alemães, russos, chineses, e outras nações com forte viés estatal fizeram. Inserindo conceitos pré ordenados, em prol do deus estado. Que na visão deles é infalível e inerrável.
      Portanto tais se cauterizam espiritualmente, se afastando da presença de Deus (assim como os fariseus, que rejeitavam os ensinamentos de Cristo, se considerando salvos pela lei), já escolhendo para si mesmos seus galardões.
      Abrindo brecha nessa dissertação, quero deixar claro que há uma discrepância bem relevante entre justiça e Salvação. Pois indubitavelmente a Salvação vem por meio da justiça de Deus, mas a justiça por si só não define Salvação. Veja Nabucodonisor, rei da Babilônia, uma nação politeísta e idólatra, o que levaria o próprio Deus de Israel a proclamá - lo como servo, Meu braço, rei dos reis, e outros adjetivos enaltecedores, senão pela própria justiça? Sim! A justiça e para TODOS. por fazer justiça ao império de Nabucodonosor, e fazer justiça ao castigar Israel por se desviar do caminho que lhe fora dado pelas palavras de Deus, através de Moisés, Deus executou a justiça plena, perfeita e merecida a cada um. Nabucodonosor não tinha nada a ver com a lei mosáica, ele não era israelita, mas por ter reconhecido a autoridade do Deus de Israel, ele cresceu diante das nações vizinhas. E em nenhum momento Deus o desamparou, mesmo sendo politeísta, mas a altivez foi a sua ruína, tanto que ele foi punido por fazer uma estátua de si mesmo e se proclamar deus.
      Logo este exemplo mostra que a justiça é exercida, mas a justiça não salva, ao contrário somos salvos pela reta justiça de Deus, eu durmo todos os dias na incerteza da Salvação, mas nunca na dúvida de que Jesus deu sua vida para nos salvar.
      Pra finalizar deixo minhas sinceras ovações à sua escrita, dá gosto de ler algo bem embasado, coeso e lúdico. Mesmo não concordando, acaba se tornando uma leitura prazerosa.
      Obrigado!

      Eliminar
  4. Olá Luciferiano

    Bom dia

    Agradeço suas sinceras ovações meu caro.
    Pelo que eu entendi do seu comentário se a Salvação é um processo contínuo e diário então a participação i.e a cooperação humana dia a dia é essencial em tal processo e eu não vejo em um perspectiva cristã salvação sem cooperação humana e boas obras.
    A essência do Evangelho não exclui outros aspectos por exemplo no Antigo Testamento Deus mandou fazer vestes sacerdotais isso é algo exterior visível mas tinha sua importância na compreensão então já naquela época a observância das ordenanças de Deus eram importantes para os crentes viverem uma vida nos padrões de Deus sem excluir o essencial. Em relação as ramificações dentro do Cristianismo entendo que isso fez e faz parte de interpretações humanas e por isso que eu vejo que o Espírito Santo ao agir nos crentes tem que capacitá-los a terem a uma correta e única interpretação e compreensão da mensagem de Deus. Sobre a questão do amor pelo que eu entendi você quis dizer que a essência da Religião Cristã é o Amor de Deus que é um Amor diferente ou seja bem superior , e que seres humanos pecadores podem amar também só que mesmo assim não ama igual a Deus amou o mundo. Porém sob uma perspectiva Cristã amar a Deus supera o ato de acreditar em Deus por isso que eu acho que escreveram que Deus é Amor para ressaltar a superioridade do amor dEle pela humanidade mas o Amor ainda que Transcedental é impessoal então o Ser Pessoal necessita de algo impessoal para se sustentar e aí eu vejo que talvez o entendimento correto de Deus seja que Deus é Impessoal. Se os cristãos argumentarem que o Amor sai de Deus então quem é Deus de forma objetiva? Pois aí teríamos Deus anterior ao Amor e como definir Deus como um ser Pessoal assim?
    Muito boa sua observação sobre a missão de Cristo e a Lei, mas veja eu aprendi na Religião Cristã que existe a Santíssima Trindade e no meu entendimento as 3 Pessoas trabalham em perfeita harmonia e Jesus concordou em estabelecer a Lei Mosaica ou seja ou Ele participou ativamente da elaboração da Lei ou Ele concordou. Respeito e entendo o posicionamento teológico dos cristãos sobre o tema mas Jesus revogou algo que Ele mesmo já tinha estabelecido ou pelo menos concordado totalmente e Ele sabia que no futuro tal Lei ficaria insuficiente para os cristãos. Um outro entendimento é que o Antigo Testamento apontava para Cristo então isso corrobora com o raciocínio acima de que a Santíssima Trindade sabia que a Lei seria incapaz de aplicar uma redenção plena e por isso Jesus teve que vir para reparar um erro dEle mesmo. Agora veja tal insuficiência veio da Mente de Deus.

    continua...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou reponder abixo da cada tópico:

      No momento da elaboração da Lei, Israel era uma nação em formação, eles não eram estado, e sim, um povo. Eles estavam recebendo através da Lei não só material religioso, mas também jurídico.
      Sobre o papel de Jesus na Terra. Ele não veio pra reparar o erro de Deus, e sim para reparar os erros dos homens. Deus sabia que isso iria acontecer, mas Ele havia feito uma promessa a Abraão, e tal estava sendo cumprida. Agora se o ser humano se corrompe fácil, aí é outra história.
      Deus, na minha opinião, é a síntese de tudo. É algo fora de explicar, e talvez por isso muitos preferem evitá-Lo. Contudo, ao nos criar ele deixou sua essência através de nossa própria existência. Mas assim como muitos pais criam seus filhos da melhor maneira, e ainda sim se rebelam, assim é a humanidade em relação a Deus nessa relação de Pai e filho.

      Eliminar
    2. Sim a Lei tinha um pensamento jurídico também e Jesus se não elaborou toda a Lei Ele concordou com a elaboração da mesma e Ele sabia que tal Lei seria insuficiente. Mesmo com a Lei um determinado número de israelitas não seguiram Deus outros seguiram eu vejo aí ações humanos. A Lei foi insuficiente essa é questão principal o próprio Jesus veio para superar a Lei e o fato dos seres humanos errarem não exclui o fato de que Deus errou.

      É natural que você defenda a ideia que Jesus não errou pois de acordo com a crença Cristã Jesus é Deus e se Jesus errou logo chegaríamos a conclusão que Deus erra e aí se Deus erra logo Ele não seria perfeito. Os seres humanos são criações de Deus pela crença bíblica e como os seres humanos tem na existência humana a essência de Deus e voltando ao fato de que os seres humanos erram isso pode sim ser consequência também dessa essência dada por Deus ou seja teríamos erro na essência de Deus. Adão e Eva eram sem pecado mas por que pecaram? Porque tinham a potencialidade ainda que bem diminuta do pecado neles e de onde veio essa potencialidade? Veio de Deus.

      Você citou que Deus deixou a essência dEle nos seres humanos mas que essência seria essa? Seria a alma ou espírito imortal? A Bíblia trata o ser humano tendo um elemento espiritual consciente que sobrevive após a morte? É uma pergunta interessante.

      A argumentação teísta sempre colocará Deus acima de todas as coisas, isso é muito natural e esperado por parte dos teístas mas a questão é: será que os próprios cristãos conseguem explicar Deus? Como explicar de forma objetiva a Pessoalidade dEle?

      Não creio que tenha havida uma criação mas sim uma formação pois a vida é eterna portanto sempre se manifesta e é muito natural que assim aconteça.

      Um abraço

      Luiz

      Eliminar
    3. A Lei Mosaica na época, ela foi revolucionária. E muito mais justa (principalmente em relação aos pobres e ecravos) do que as leis da Mesopotâmia, superando até mesmo o código de Hamurabi que até então, era um marco legislativo.
      Os humanos erram porque lhes foi dados opções para escolha, essa é a premissa básica do.livre arbítrio. Deus não criou robôs para simplesmente se sujeitarem a ordens. Sobre Adão e Eva, eles pecaram porque não tinham noção real das consequências. Como uma criança que ganha um brinquedo, mas não tem noção do esforço e trabalho que o pai (ou a mãe) fez para obtê - lo.
      Sobre uma explicação objetiva de Deus, eu defino em retidão através da justiça, o problema é que muita gente só vê justiça onde lhe é benéfico. Não entendem que a punição é uma medida de justiça. E que esta, muitas vezes se dá também por amor, logo, a punição de um pai sobre um ato erradod e um filho também denota amor. Para que o filho reflita sobre seu próprio erro e não o torne a cometer.
      Sobre a última afirmação, é mais sobre um conceito de fé. Mas há evidências na própria natureza, que implicam na presença de um Criador inteligente.

      Eliminar
  5. continuando

    Interessante sua visão, de fato o ser humano interage no ambiente que ele vive e absorve as informações, por exemplo um hare-krisna não pensa que está se afastando da presença de Deus muito pelo contrário. Talves penso eu que quando você escreveu que estar se afastando da presença de Deus se refere ao fato de se afastar do Deus Biblico Judaico- Cristão mas isso é uma visão não só sua mas de muitas e muitas pessoas pelo mundo que não necessariamente são protestantes, católicos romanos ou católicos ortodoxos mas que crêem em Jesus. E é importante respeitar isso porém um harekrisna ou um budista podem entender que Jesus e o Seu Evangelho não conduzem o ser humano a completa liberação. Em relação aos fariseus te m algo de interessante aí pois não creio que forma todos os fariseus que não creram em Cristo uma outra questão é que o Cristiansimo critica a questão das tradições de homens o que é diferente da Lei embora alguns religiosos possam ter feito digamos assim um link entre a Lei e os pensamentos deles mas a Lei mesmo sem estar acrescida de “tradições humanas” continua insuficiente em uma perspectiva Cristã mas aí volta aquele ponto, os fariseus que se apegavam a Lei estavam certos pois o próprio Jesus se não elaborou a Lei concordou com a elaboração da mesma. Se Jesus pregou algo diferente da Lei então aí existe uma contradição se Ele aperfeiçoou então Ele concordou que a Lei era insuficiente então como pode o Sacrifício dEle ser suficiente se a Lei que Ele mesmo concordou era insuficiente pois teve a participação dEle. A Lei tinha algo de Deus a Personalidade e do Cárater de Deus não era uma Lei criado por seres humanos veio dos pensamentos de Deus e se veio de Deus são 100% Perfeitos e Suficientes.
    Em relação a Nabucondonosor conheço pouco mas se ele reconheceu a autoridade de Deus de Israel mesmo assim ele continuou politeísta? Se assim foi isso não seria uma contradição? E se ele cria no poder de Deus porque ele fez uma estátua para si mesmo? O que eu vejo neste cenário é a ação humana tendo escolhas e no meu entender os escritores tentaram universalizar a mensagem do Deus de Israel punido os israelistas e preservando Nabucondonosor. Parece que foram atos naturais tanto o que aconteceu com Israel quanto o que aconteceu com Nabucondonosor.

    continua...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Indiferente da religião, pra mim o conceito de se afastar de Deus, se resume a cauterização do espírito. A pessoa se distancia das afeições naturais, passa a ser mesquinho, egoísta, odioso, etc. Claro que em se tratar da minha cosmovisão particular, eu me refiro ao Deus de Israel (judaico/cristão).
      O ministério da Graça passou a vigorar depois da morte de Cristo. Até então Ele também estava sob o julgo da Lei Mosaica. Na cruz que se rasgou o véu do templo, ou seja, a partir daquele momento, não era mais necessário qualquer ritual da Lei oara se ter acesso a Deus, apenas a fé de cada um mediante o reconhecimento deste sacrifício.
      Não há contradição no caso de Nabucodobosor, justamente por ele não ser isrelita. A Lei era para os descemdentes de Abraão, pois estes eram o povo da promessa (genéticamente, pois com a remissão messiânica, tidos podem ser descendentes espirituais). E Nabucodonosor era babilônio, assim como Dário e Ciro que foram libertadores de Israel, eram medo e persa. A questão aqui era a justiça aplicada mediante suas próprias medidas. Israel descumpriu a Lei, e pela própria, Deus alertava sobre as punições, então não era por falta de conhecimento, e sim, por leviandade mesmo.
      Sobre a estátua, ele (Nabucodonosor) se deixou levar pelo poder e se tornou um sujeito opulento e se achou na condição de um deus, esse feito foi a sua derrocada, até então ele estava "de boa na lagoa".

      Eliminar
    2. Olá Luciferiano x

      Bom dia

      Certamente meu caro o ser humano tem que lutar contra esses sentimentos ruins ( ódio, egoísmo e outros) porém sob um perspectiva Cristã mesmo se um ser humano for bom ou pelo menos tentar se esforçar em evitar o mal se tal ser humano não aceitar a Cristo ele não é considerado justo perante Deus e não será salvo. Eu vejo o processo de lutar contras as ações negativas um ato humano natural. Você naturalmente como cristão entende que Deus é o Sumo Bem, sempre Justo e sempre Santo porém será que Deus é só o bem?
      A Lei dada por Deus aos israelitas como veio de Deus deveria ser perfeita e santa e até acho que em uma perspectiva bíblica é, mas analisando ela percebo uma insuficiência e limitação ou seja algo que não coloca o homem em uma perfeita ligação com Deus. Se a Graça veio só em Jesus então durante todo a Antigo Testamento ou não tinha Graça ou tinha uma Graça inferior foi algo incompleto que inclusive Jesus concordou . Jesus sabia que os seres humanos não conseguiriam a plena redenção sem Ele. A fé é importante sim porém não é suficiente é necessário a vivência e manifestação dessa fé com boas obras e correta compreensão da Sã Doutrina dada pela Igreja. Quanto ao assunto do Sacrifício de Cristo se faz necessário o correto entendimento eu particularmente vejo que as Igrejas Católicas Romana e Ortodoxa tem um entendimento mais completo do que o Protestantismo no que se concerne a questão de como o culto cristão deve ser realizado os rituais da Lei podem ter cessado para dar lugar a rituais religiosos cristãos e aí eu vejo nas Missas os Presbíteros com vestes sacerdotais apontando para Jesus que no meu entendimento é uma percepção mais completa do que o Culto Protestante mas essa compreensão católica foi estabelecida pelos católicos assim como a compreensão protestante foi estabelecida pelos protestantes ou seja no final das contas quem define a interpretação da Sã Doutrina como os cristãos chamam são os crentes dessas denominações ou seja são atos humanos. Eu até acho a ideia da Transubstanciação mais bíblica pois a ação espiritual do Sacrifício de Jesus está presente agora usando um raciocínio no contexto mesmo eu não sendo católico.

      continuando...

      Eliminar
    3. Eu acredito que só se sela seu destino de fato, quando morre. Uma pessoa não é considerada injusta meramente por não crer em Cristo, e sim, ela será justificada mediante sua fé, por Cristo. Tanto que não basta ser batizado, participar de uma congregação, ou fazer mil e uma coisas, se na hora do "vamo vê", a pessoa negligencia a defesa do evangelho. O próprio Cristo disse que em Sodoma e Gomorra haveria um julgo mais brando em relação a Israel.
      Sobre a Lei, mesmo Deus sabendo que o povo iria se desvencilhar de Suas Leis, ele ainda tinha a promessa feita a Abraão, e foi por ele que Deus resgatou seus descendentes. Deus sabe o futuro, mas ainda sim nos dá a opção da escolha. Assim como um pai que sabe que o filho vai se dar mal de tomar uma determinada escolha, mas mesmo assim o permite, mesmo que seja pra dizer depois: "Eu avisei!" Em todo o processo pode se edificar sabedoria, as vezes é necessário deixar cair para aprender a levantar.
      Sobre catolicismo, é uma religião sincrética, pega ele.entos de outras religiões pagãs e põe no mesmo balaio do cristianismo, o que está errado. Mas entrar nesse assunto é mais complexo, portanto me resumo a esse esclarecimento

      Eliminar
  6. continuando

    O Cristianismo ensina que o “justo vivera pela fé” e realmente não diz que o salvo viverá pela fé pois se “vive” logo age por sua própria vontade buscando a salvação ou seja ação humana então a salvação depende muito da ação humana e a questão é entender como somos salvos pela justiça de Deus ou seja como Deus faz isso? Seu raciocínio sobre a justiça de Deus salvar tem lógica bíblica mas a Bíblia também apresenta a Graça salvando em Efésios 2:8-9 porém não é só a Graça e a justiça tem também a fé e a participação humana em um processo de vivência diária por isso entendo a posição protestante insuficiente pois pelo que eu entendi do Protestantismo a fé salva mas as obras tem uma participação não só importante mas essencial nesse processo e tal obras são feitas pela ação humana pois a Graça e a fé ( mesmo vindas de Deus) são aspectos impessoais e portanto necessitam obrigatoriamente da ação humana para serem implementadas.
    Analisando a questão do sacrifício de Jesus vemos que tal ato disponibiliza para o ser humano que uma vez aceitando Cristo seja remido pelo seu sangue mas mesmo assim tem que ter a participação humana no processo tem méritos humanos. Então veja tem várias coisas interligadas o Sacríficio e mesmo o Sacrificio de Cristo sem a Ressurreição nada valeria e os dois sem a Ascenção também não valeriam é um conjunto de fatores então não é só a reta justiça de Deus que salva ela é parte de um processo assim como a vida do cristão.

    Um grande abraço e obrigado

    Luiz

    ResponderEliminar
  7. E claro que a participação humana é imprescindível, somos o cerne da questão. Deus não precisa ser salvo de Si mesmo, somos nós que precisamos.
    E sim, é todo um conjunto de fatores, Cristo precisou morrer para se cumprir a Lei, ressuscitar para testificar sua vitória sobre a morte, simbolizando a ressurreição dos justos sobre a morte, e a ascenção para Sua própria Glória, sendo este último, indiferente no aspecto de Salvação.
    Em suma, as pessoas pensam pouco nisso, ou se deixam levar por aspectos um tanto niilistas, mas Deus nos deu coisas maravilhosas, mas nossas próprias quedas nos afastam dessas coisas, ainda mais nesse mundo agitado e imediatista, porém, Deus está sempre de braços abertos para receber a quem quiser estar com Ele.
    Obrigado mais uma vez.


    Abraços!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom pelo que eu entendo do pensamento protestante a Graça salvifica vem de Deus e tem uma linha de pensamento que o ser humano como pecador nada pode fazer nesse sentido.

      A participação humana no processo de salvação eu vejo que é essencial e isso aí são méritos humanos e eu até me surpreendi muito com a sua resposta pois geralmente os cristãs não aceitam os méritos humanos ou seja ficam só com os méritos de Deus em última análise e citam Efésios 2:8-9. Isso mostra que o seres humanos agem de forma natural, veja quando por exemplo uma pessoa aceita Jesus é ação dela não é só de Deus e isso a meu ver tira a força de uma interpretação protestante que procura negar os méritos humanos.

      Esse conjuto de fatores indica que só uma ação não é suficiente e isso pode ser um argumento inclusive contra a existência de Um Deus Pessoal e Criador pois o Deus bíblico prescisa de várias fatores isso indica que a Natureza dEle tem várias ações espirituais e que por isso não podemos definir qual dessas ações é exatamente Ele em Si logo podemos concluir que Deus NÃO É logo Ele não existiria pois não podemos defini-Lo visto que Ele seria uma adição de várias coisas e assim sendo a ação salvífica dEle de acordo com os cristãos seria um reflexo disso aí ligando como o raciocínio dos vários fatores que você citou.

      Você escreveu algo muito interessante que as pessoas pensam pouco sobre a ação salvífica de Cristo porém a maioria das pessoas cre em Deus o número de protestantes vem crescendo e tem muitos católicos romanos então como é que as pessoas pensam pouco sobre isso? Mas veja se Jesus não tivesse ascencionado Ele não poderia voltar e é muito comum principalmente os protestantes falarem " Jesus está voltando" ora Ele só pode voltar porque Ele foi se Ele não volta o obra ficará incompleta.

      Para terminar existe uma interpretação que é que Deus escolhe quem Ele quer e não o ser humano e partindo do entendimento que Deus está " de braços abertos" então é o ser humano que determina aceita-Lo ou não ou seja é ação humana onde a fé dos crentes é importante e aí é uma questão subjetiva.

      Muito obrigado e um abraço

      Eliminar
    2. A ação humana é invariavelmente necessária. Deus vai salvar as máquinas? Não! Ele quer nos salvar. É claro que quem salva é Cristo, mas a nossa vontade é primordial.
      Essa interpretação determinista não é válida. Deus já determinou o rumo da história humana, mas individualmente, somos livres para escolher. Quem sou eu para dizer que alguém é salvo, ou condenado? Isso seria uma presunção sem precendentes.
      Imagine o curso da humanidade como um rio, e a cada afluente, a nossa história individual. Por mais que se tenham vertentes de sse rio, ele não altera o seu curso. Em suma, As coisas irão acontecer em nível global, mas individualmente, nós escrevemos nossa história. Mas como há pessoas que teêm fé em Deus, há outra que teêm fé no lado oposto, e esses acham que se fizer tudo o que o diabo mandar, eles escaparão da ira de Deus (palavras da doutrina deles mesmos), então se lançam a própria sorte nessa caminhada, a fim de trazer o reino do senhor deles a Terra.

      Eliminar
    3. Mesmo o ser humano realizando uma ação cooperando com Deus ainda assim não creio que todos os cristãs concordem com a essa interpretação basta ver a questão da chamada Eleição Incondicional em que o ser humano não tem capacidade para aceitar a Deus pois estaria morto pelo pecado e portanto quem escolhe é Deus quem vai ser salvo basta conferir em Efésios 1:4, Atos 13:48 e Romanos 9:15-16 mas esse tema é assunto de debate entre os próprios cristãs e isso mostra que o Espírito Santo não é eficaz para promover uma unidade e nisso o Espírito Santo é falho pois os cristãos tem interpretações diferentes e aí entra a ação humana superando e muito a Graça e o Espírito Santo.

      Quando se aceita a participação humana está dando enfâse aos méritos humanos indo contra a questão da ideia que é Deus quem elege e partindo do pressuposto que quem aceita Cristo é o ser humano e depois de aceitar vive uma vida cristã no final dos contas o ser humano tem uma participação importante e podemos pensar que a Graça é realmente uma questão de fé e seria desnecessária visto que é a ação humana quem define.

      Em relação a dizer quem vai se condenado ou salvo na Bíblia você acha que Pedro considerou que Ananias e Safira foram salvos? Entendo que não sejam todos os protestantes mas talvez a maioria pelo que eu vejo não considera o Catolicismo Romano como cristão se perguntarmos para eles se um católico romano que no momento da morte estiver fiel à Doutrina Católica será salvo ou condenado a resposta mais coerente seria que não será salvo pois de acordo com a interpretação de muitos protestantes os católicos creem em doutrinas não biblicas e portanto seguindo tal racíocinio protestante não teria lógica Deus salva-los.

      Eliminar
  8. Bem continuando

    Considerando sua boa explicação sobre Nabucondonosor ele mesmo não seguindo a Lei pelo que eu entendi agradou a Deus isso a meu ver demonstra que mesmo sem Deus ele agiu bem então foi algo que ocorreu naturalmente nele. Pelo que eu entendo do Cristianismo a Lei serviu para fazer o homem entender e vivenciar ou melhor pautar sua vida em Deus, Nabucondonosor parece que agradou a Deus sem a Lei assim mesmo sem ela alguns seres humanos conseguiram fazer o bem e um determinado número de israelitas pecou mesmo com a Lei e então baseado nisso Deus aplicou a Sua Justiça, mas a Justiça de Deus é algo impessoal dEle e é um dos atributos dEle ou seja ser Justo, e se é um dos atributos dEle não é o único logo depende de outros atributos então se vê que Deus seria uma soma de atributos e aí como poderíamos defini-lo de forma objetiva? Como demonstrar que Ele é um Ser Pessoal se Ele é uma soma? A punição dos israelistas que desobedeceram a Lei pode ter acontecido por acontecimentos naturais.

    Sobre a questão da estátua de Nabucondonosor biblicamente existe esse problema mas veja os Católicos Romanos tem imagens e não vejo idolatria por parte deles desde que se compreenda corretamente o uso das imagens.

    ResponderEliminar